[Devaneios Literários] Vestido de Noiva - Nelson Rodrigues

26 de abril de 2012

2012 é um ano festivo; comemora-se o centenário de nascimento de grandes mestres da Literatura Brasileira.

Nossa lembrança, hoje, vai para o grande dramaturgo Nelson Rodrigues (1912-1980), o anjo pornográfico.

Nelson Rodrigues, sem dúvida, consagrou-se como o grande crítico da sociedade burguesa, em especial da classe média carioca dos anos 50. Seus personagens põem em cena conflitos familiares insolúveis, com as insuspeitadas perversões psicológicas, que, do seu ponto de vista, fazem parte da natureza humana e são muito mais frequentes do que imaginamos. Suas peças refletem com crueza a condição humana.

Ironicamente, representou no palco, situações vividas por ele: traições familiares, crimes passionais, desavenças e o grande vício que sempre cultivou: jogos lotéricos. Esperava ansiosamente que seu bilhete fosse contemplado. Isso, de fato, aconteceu em 1912, no dia de sua morte.

É o próprio dramaturgo que se define:

"Eu devia ter uns 7 anos. A professora sempre mandava a gente fazer composição sobre estampa de vaca, estampa de pintinho. Uma vez ela disse: 'Hoje cada um vai fazer uma história da própria cabeça'. Foi nesse momento que eu comecei a ser Nelson Rodrigues. Porque escrevi uma história tremenda, de adultério".  
(entrevista concedida à Revista Playboy em novembro de 1979)

O trecho a seguir faz parte de uma das peças consagradas do dramaturgo: Vestido de Noiva, montada pela primeira vez, no palco do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, em 1943.

"PRIMEIRO ATO
A peça inicia-se com sons bastante conhecidos pelos habitantes de qualquer metrópole:
“Buzina de um automóvel. Rumor de derrapagem violenta. Som de vidraças partidas. Silêncio. Assistência. Silêncio”.
Cria-se, dessa forma, na imaginação do espectador, a cena de um atropelamento. Acende-se o plano da alucinação, e Alaíde chama por Madame Clessi. Encontra-se com vários personagens desconhecidos, ele que, aos poucos, lhe informam que Clessi fora assassinada. Alaíde desespera-se.
Acende-se o plano da realidade, com várias pessoas falando pelo telefone ao mesmo tempo. São repórteres que noticiam o atropelamento. No plano da alucinação, Alaíde está num bordel e recebe um homem que tem o rosto de seu marido. Suas atitudes são extremadas: acaricia o homem e o esbofeteia. Alaíde repara que todos os homens que aparecem têm o rosto de seu marido e encontra Madame Clessi, que a ajuda a lembrar-se da infância.
O plano da memória registra o diálogo entre os pais de Alaíde a respeito de Madame Clessi, antiga habitante da casa.
No plano da realidade, o diálogo lacônico entre os médicos revela que Alaíde está sobre uma mesa de operação. Alternam-se os diálogos entre Alaíde e Clessi no plano da alucinação e cenas do passado no plano da memória. Alaíde diz a Clessi ter matado seu marido.
Aparece também a Mulher de Véu, cuja identidade Alaíde parece não querer revelar. Madame Clessi pede a Alaíde que recorde o dia em que se casou. Alaíde lembra-se de que sua futura sogra elogiou o vestido de noiva pouco antes de ela entrar na igreja. Relembra também que havia mais alguém com elas, mas não consegue identificar essa pessoa
".

RODRIGUES, Nelson. Vestido de noiva. In: Teatro Completo I - peças psicológicas
Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981. p. 109-111; 114-118.

Vestido de Noiva movimenta seu drama dentro de um microcosmos da sociedade carioca: a pequena burguesia. A obra é dividida em três atos representados através dos planos da realidade, da memória e da alucinação.

Nelson Rodrigues aborda majestosamente o drama de três personagens que se veem enredados diante de um tema conhecido, mas sempre inovador: o adultério.

Tudo começa quando Alaíde é atropelada e no hospital, ao receber os primeiros socorros, relembra fatos guardados no seu subconsciente. Revive os preparativos de seu casamento e, nas imagens, discute com uma mulher envolta por um véu, cuja identidade descobrirá mais tarde.

Prefiro não revelar o final, tampouco selecionar fragmentos dos atos seguintes. Deixo que você, leitor, se interesse pela obra que é atemporal, permitindo ser levado pelos diálogos inteligentes e sarcásticos.

Quer ler um resumo da peça? Clique aqui.
Gostou e quer comprar o livro? Compare os preços aqui.

"Sou um menino que vê o amor pelo buraco da fechadura. Nunca fui outra coisa.
Nasci menino, hei de morrer menino. E o buraco da fechadura é, realmente, a minha ótica de ficcionista".  Nelson Rodrigues

Postado por Denise Silveira [Professora de Português, Literatura e Redação.Com 31 anos de experiência no magistério. Pós graduada em Literatura Brasileira pela UERJ. Ah, e o mais importante, minha mãe].
Labels: , , ,

11 comentários :

  1. Já atuei numa peça que tinha uma cena de Vestido de Noiva, mas não li esse livro. Morro de vontade.

    Beijos.

    Carissa
    Arte Around The World

    ResponderExcluir
  2. Eu confesso que ao mesmo tempo que acho o tom crítico e sarcástico de Nelson Rodrigues algo legal, também tenho medo dele. rs Os términos de muitos contos ainda me assustam.
    Os temas que ele aborda, e principalmente a forma abordada faz com que seus textos sejam realmente atemporais.
    Curti este devaneio literário.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Nossa eu fiz muitos trabalhos sobre Nelson Rodrigues na época da escola que até cheguei a enjoar..kkkkkkkk
    Faz muito tempo que não leio nada dele.
    Gostei bastante dessa análise.

    bjs
    Tais
    http://www.leitorafashion.com.br

    ResponderExcluir
  4. LINDOOOOOOOOOOOOOOOO! Tomara que esse post faça com que muitas, muitas, muitas pessoas leiam Nelson Rodrigues. Sério, esse ano ainda leio todas as peças dele, porque são simplesmente... Muito, muito, muito boas! O tipo do texto dele é exatamente aquele que mais me fascina (todo aquele drama, *oh*, surpresas *uau!*), mas não com simples acontecimentos. Há significado em suas peças, há um olhar crítico... E seu tom sarcástico... Gente, não consigo encontrar palavras. LINDO ADOREI O POST! Mari, sua mãe é uma diva, aguardo ansiosa o próximo post. Ai, adoreiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

    ResponderExcluir
  5. Tenho vontade de ler algo do Nelson Rodrigues, justo por esta questão da crítica à burguesia e etc.
    Já li algum texto dele e me lembro de ter gostado, sabe?
    Interessante esse Vestido de Noiva... Fiquei com vontade de conhecer mais...
    Beijos, Denise!

    ResponderExcluir
  6. Não sabia dessa obra do autor. Quero muito ler!!
    Adorei o post ^^
    Beejos

    Ana Magiero
    Garota Sonhadora Em Livros

    ResponderExcluir
  7. Não conheço todas as obras dele, e essa era uma das que não conhecia, mas é sempre bom conhecer coisas novas ;)

    Andy_Mon Petit Poison
    POISON BOOKS - Extras (Scott Westerfeld) http://bit.ly/IerRpM

    ResponderExcluir
  8. Eu já estou querendo ler algo do autor faz tempo. A Ni do Ninhada Literária elogia ele demais. Vou ver se consigo ler algo em breve! Adorei o post.

    Gabi

    ResponderExcluir
  9. oi,
    adorei seu blog, muito lindo!
    estou te seguindo, segue o meu tambem
    http://lostgirlygirl.blogspot.com.br/

    @lostgirlygirl

    bjos

    ResponderExcluir
  10. Gostei Muito do livro. Estou fazendo um trabalho e preciso saber quem é o Ilustrador, tem alguem para me ajuda. Desde ja agradeço a ajuda.

    ResponderExcluir
  11. Gostei muitoo do Livro. Estou fazendo um trabalho sobre este livro d Nelson Rodrigues e estou precisando saber quem foi o Ilustrador do Livro. Desde de ja agradeço a ajuda :)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...