[Resenha] A Passagem - Justin Cronin

4 de março de 2013
Título: A Passagem
Autor: Justin Cronin
Editora: Sextante
Páginas: 816
Ano: 2010
Mais informações: Skoob

Sinopse: Quase um século depois que uma pesquisa científica financiada pelo Exército dos Estados Unidos foge do controle, tudo o que resta é uma paisagem apocalíptica. As cobaias utilizadas nos experimentos – prisioneiros a caminho do corredor da morte – escaparam do laboratório e iniciaram uma terrível carnificina, alimentando-se de qualquer ser com sangue nas veias e espalhando por todo o continente o vírus inoculado nelas. Em uma fortificação construída nas montanhas, cercada de muralhas de concreto e holofotes superpotentes, uma comunidade tenta sobreviver aos constantes ataques noturnos.  Não se sabe o que aconteceu ao resto do mundo: a comunicação foi cortada, não há governo e o Exército nunca cumpriu a promessa de voltar. Provavelmente estão todos mortos. Mas a chegada de uma misteriosa andarilha traz novas expectativas: ao que tudo indica, ela tem as mesmas habilidades dos virais, mas não sua necessidade de sangue. Agarrando-se a essa esperança, um grupo parte da Colônia para buscar mais sobreviventes – e a verdade fora dos muros.





Em "A Passagem" temos uma história impactante e ao mesmo tempo densa, com um enredo rebuscado e de difícil leitura. O autor nos leva ao uma trama complexa onde várias histórias são iniciadas em paralelo e cruzam-se em certos pontos até o livro alcançar o seu clímax. Sendo um prato cheio para os leitores fãs de temas apocalípticos, o livro vem acrescentar nessa temática já vista em outros livros do gênero, uma nova linha de leitura que pode colocá-lo como um diferencial para os já existentes, uma inovação sem sair da sua zona de gosto literário. Uma boa escolha para pessoa que querem novas opções de história estilo 'fim do mundo'.

Justin Cronin  apresenta seu livro em duas partes que poderíamos até dividir em dois livros. No primeiro, o autor nos mostra muitas histórias transcorridas sobre o mesmo evento, o fim do mundo como conhecemos hoje, começando falando sobre personagens nos tempos atuais que tem por comum uma interação com um vírus descoberto na América do Sul. Esse vírus transforma as pessoas em um misto de vampiros fotossensíveis (tipo brilhando igual o Edward só que a noite xD) e zumbis carniceiros (sem o apodrecimento do corpo), sendo que por algum motivo obscuro os feitos negativos dessa doença parecem não afetar somente uma menina chamada Amy. Abandonada pela mãe ela se vê perseguida pelo governo americano, que deseja estudá-la para então modificar esse vírus para um elixir da vida eterna. Mas ao capturá-la, o agente do FBI Brad Wolgast, contrariando as ordens de levar a menina, foge com a mesma dando início a seqüência de fatos que culminam na disseminação da doença de forma mundial e na tentativa de contenção da doença, o próprio homem se destrói.

Na segunda parte do livro, o autor narra sobre a vida dos sobreviventes da humanidade 90 anos após a disseminação dessa doença, onde as pessoas são obrigadas a viver atrás de cidades muradas e vigiadas constantemente contra os VIRAIS. Após o reaparecimento misterioso de Amy, os acontecimentos da história tomam que pode vir a culminar na possível solução dos novos problemas da humanidade ou no seu definitivo extermínio.

A Passagem é um livro bom, tem uma boa história bem desenvolvida pelo autor. Meu problema com ele foi o tipo de narrativa que o mesmo escolheu, ao narrar várias histórias de vários personagens diferentes o tempo todo. O foco se perde, desestimulando o sua leitura, além do tamanho dos capítulos não ajudarem muito esse tipo de escrita. Por isso, para essa livro dou 3 estrelas e meia =p.
Labels: , , ,

15 comentários :

  1. Oi Carlos!
    Uma pena que a narrativa acabou te desestimulando em certos momentos da leitura, o livro tem tudo para ser excelente.
    Não sei se eu faria a leitura no momento, mas não posso negar que o livro chamou a atenção.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Um livro interessante, o enredo me chamou muito a atenção e você expôs muito bem o que achou do livro, os pontos positivos e negativos. Acho que vou procurar ler ;)

    Bjs

    daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  3. ganhei este livro faz tempo já, e li ele logo
    demorei para ler ele não apenas pelo fato dele ser enorme, mas também pelo fato da escrita ser meio complicada, como você citou.
    tenho o livro com a capa antiga :( quero essa nova!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente esse é o grande defeito do livro, nessas horas que nós vemos a razão de certas editoras ceifarem capítulos das histórias dos autores rsrsrsrs.

      Excluir
  4. "um misto de vampiros fotossensíveis (tipo brilhando igual o Edward só que a noite)", sério isso? que triste... rsrsrs

    Bem, não sei se encararia esse livro, não por ser um tijolo, mas pela ideia... talvez um dia rsrsrs

    Li Noturno e achei um horror, muito ruim, o vampirismo também é um vírus, mas é tão mal escrito, os autores enrolam tanto para descrever as cenas, parece mesmo um roteiro de filme... Não sei se tenho coragem de encarar esse aí =/

    bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tipo imagina aquelas criaturas do "Eu sou a lenda" só que da cor de marca-texto a noite, é mais ou menos essa a descrição rsrsrs e esse livro também tem um pouco desse mesmo defeito que o Noturno, mas para quem curte o gênero a história compensas esse problemas. ^.~

      Excluir
  5. Oi, Carlos!
    Sempre vi várias pessoas elogiando esse livro mas nunca parei para prestar mais atenção nele. Pelo que você disse, acredito que a narrativa seja parecida com a dos livros de Crônicas de Gelo e Fogo, não é? Droga, odeio esse tipo de narrativa. Bagunça demais minha cabecinha. Mas, apesar de tudo, irei dar uma chance à esse livro!
    Adorei a resenha!
    Beijos
    http://enclausuradas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Justamente, a narrativa parece bastante, só que a história não tem tanto conteúdo quanto os capítulos do George R. R. Martin, que as vezes faz vc pensar se realmente alguns capítulos são necessários ou não.

      Mas como eu disse anteriormente para quem curte o gênero a história compensas esse problemas.

      Excluir
  6. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderExcluir
  7. Flor, vc viu que eu tb comecei a ler o livro, né? Já estava há muito tempo na estante e como o segundo foi lançado, me animei a ler logo.
    Ao contrário de ti, eu gosto bastante dessa coisa de vários personagens narrando, histórias diferentes se interligando, sabe? Mas vamos ver... Como o livro é muito grande, ainda nao posso formular uma opiniao legal pq estou super no início.

    Bjs,
    Kel
    www.itcultura.com.br

    ResponderExcluir
  8. eu li a passagem e adorei...eu na verdade comi o livro. Li em 3 dias.
    esperei 3 anos para sair a segunda parte e ja li...para quem gosta desse tipo de leitura é simplismente otimo.

    ResponderExcluir
  9. O fato de a história ser complexa e com várias narrativas interligadas foi um dos fatores que me fez gostar mais da história, eu amo esse tipo de livro que faz a gente pensar. E eu não achei a leitura difícil, pelo contrário, já relí o livro cerca de 6 ou 7 vezes! haha O legal é que a cada releitura você descobre um detalhe que tinha deixado passar nas leituras anteriores. A Passagem é o meu livro preferido de todos os tempos justamente por ser extremamente bem escrito e detalhado, não somente a história como os personagens, e eu não vejo a hora de ler Os Doze :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com vc, a narrativa obriga o leitor a pensar, também não vejo a hora de ler Os Doze

      Excluir
  10. Ei Carlos! Conheci hoje seu site pelo livro A Noite Maldita de André Vianco. Comentei sua resenha que ficou ótima, escrevi um post gigante e qdo mandei publicar, ele sumiu...e fiquei com pregui de escrever de novo. Ao passar pelas resenhas do site, vi que vc fez essa da Passagem e vim curiosa porque esse livro é um dos meus preferidos!!! E fiquei confusa porque vc não gostou da narrativa, sendo que elogiou a mesma narrativa em A Noite Maldita...rsrsrsrs ou entendi errado? MAs tenho que concordar que Justin Cronin realmente foi prolixo em algumas partes que não eram mesmo tão importantes...
    Bom, li Bento há anos e qdo li a Passagem, achei muito parecido o mundo apocalíptico dos 2, não como acabou mas como se tornou: os fortes, os vigias, a luta pela sobrevivência, mas cada um com suas peculiaridades, claro. O Tipo de narrativa não me incomoda, aliás, me faz querer ler mais rápido para chegar de novo na continuação daquela parte...rsrrsrs Meu OS DOZE ainda não chegou e estou descabelando para poder ler!! Tomara que não me decepcione, estou com grandes expectativas!!!

    ResponderExcluir
  11. O Livro tem um ótimo enredo porém sinceramente a forma como ele se desenrola é sofrível. Não recomendo para ninguem, mesmo leitores experientes. O livro possui "ilhas", onde a história te prende e se torna dinâmica, para logo em seguida vir um mar de tédio e uma série de descrições desnecessárias, fora a ligação de Vírus + Consciência coletiva + Alma... Sinceramente é uma trama confusa com espasmos de coerência. Terminei por terminar e diria que o livro é um pedaço de carne que merece ser estripado e ter suas melhoras partes aproveitadas em um filme ou série, mas nesse caso muito do enredo, até o fim confuso e desrespeitoso ( com o Leitor) devem ser alterados para que algo de bom realmente saia.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...