[Brincando com Séries] Person of Interest

14 de novembro de 2012
Oi galera!

Eu aqui novamente :) Antes de mais nada quero agradecer o carinho especial com o qual vocês me receberam o meu primeiro post (sobre Modern Family). 
Hoje vou falar da minha série queridinha do momento... É Person of Interest com o lindo do Jim Caviezel (meu Edmond Dantès, meu Jesus <3)



Sobre a série:
Apesar d’eu não concordar de bom grado, Person of Interest é classificada como drama. Pra mim, é um drama policial ou algo parecido (não sou boa com nomenclaturas), a série foi criada por Jonathan Nolan (o mesmo que foi co-roteirista de “Batman, o cavaleiro das trevas”) e produzida por J. J. Abrams (aquele do curriculum extenso: co-criador de Felicity, criador de Alias, Lost, Fringe, Alcatraz, além de ter dirigido Missão Impossível 3, Star Trek, Super 8 e apesar de não parar por aí, eu vou parar). A série é transmitida originalmente nos Estados Unidos pela CBS e no Brasil é transmitida pela Warner Channel.

O enredo se desenvolve quando Finch (interpretado por Michael Emerson – Lost), um milionário e misterioso gênio desenvolvedor de programas cria após os atentados terroristas de 11/09 uma “máquina” que prevê a identidade de pessoas ligadas a crimes violentos. A máquina gera um CPF e o dono do CPF pode ser tanto o causador do crime, testemunha ou a vítima. Além disso a máquina não consegue prever quando e onde o crime acontecerá. Por conta disso, Finch escolhe John Reese (interpretado por Jim Caviezel <3 – A Paixão de Cristo, O Conde de Monte Cristo e outros) para ajudá-lo a localizar os donos dos CPFs e vigiá-los até que eles possam saber do que se trata e proteger a pessoa em questão ou impedir que os crimes aconteçam. John é um ex-agente da CIA que todos pensam estar morto e que não têm nada a perder na vida. É um homem triste, forte e elegante.

Logo de cara, a polícia começa a procurar por um tal “cara alto de terno” que tem impedido crimes (mas cometidos alguns outros para que isso aconteça). No seu pé ficará a Detetive Carter (interpretada pela Taraji P. Henson – Karate Kid) que logo muda de lado e passa a ajudar John e Finch de dentro da polícia, local este onde é quase impossível confiar em alguém e/ou encontrar um policial que não seja corrupto.

Juntos (Finch, John e Carter) vão trabalhar duro para impedir que crimes aconteçam em Nova Iorque. Finch é o cérebro, John é a força “bruta” e Carter é o bom senso em pessoa, a força extra.

Além do “processo diário de intervenção do crime”, ainda existe o mistério por trás da máquina. Porque o governo desistiu dela, porque ela foi vendida, porque pessoas estão atrás dela e do criador e principalmente como ela gera esses CPFs…

Curiosidade:
- Toda abertura contém cenas do episódio atual. (só pra nos deixar mais curiosos)

4 motivos para ver:

- John “Chuck Norris da nova geração” Reese: É IMPOSSÍVEL não se apaixonar pelo John “vem ser rude assim aqui na minha casa” Reese gente. Sério! E não falo só por mim. Assisto essa série com minha cunhada e meu irmão e ambos também são apaixonados pelo John. Ele é do tipo durão por fora e doce por dentro, sabe? Apesar de quase sempre esconder seu lado bom, até por conta do seu “trabalho”, mas aqueles raros momentos de doçura valem pra sempre. Mas não pensem que o lado bruto dele é “mais ou menos”. Pelo contrário. Costumamos brincar aqui em casa que ele é o Chuck Norris da nova geração (ou Batman sem capa, segundo uma tag do Orangotag, rs). É do tipo que entra em um bar cheio de traficantes e sai de lá em menos de 3 minutos tão elegante quanto quando entrou mesmo tendo deixado todos eles no chão. O cara é phodástico!!!

 


- O Bromance (aka Rinch): O Finch faz o tipo misterioso e calminho. O John faz o tipo misterioso e durão. Quando ambos se juntam, é a equipe perfeita. Finch acaba virando o único amigo de John e vice-versa, mas eles são homens. É claro que eles não ficam declarando o seu amor abertamente. Eles fazem isso poucas as vezes e das formas mais sutis e emocionantes possíveis. Tão lindo <3



- O caso “brasileiro”: Na atual temporada (segunda), no episódio Masquerade (02x03), a máquina gera o CPF da filha do embaixador do Brasil e gente, senti orgulho de ver meu país lá, hehehe #soudessas Finch lendo um site de notícias em português, John meio que inserido na política nacional pra acompanhar a brasileira filha do embaixador… foi fofo! #soproud

- Carter e John: É... eu shippo os dois apesar de nunca ter rolado nada entre eles, nem climinha :/ Mas gosto do jeito como ela o protege e do jeito como ele sempre precisa dela <3


E vocês? Acompanham a série? O que mais gostam? Quem não acompanha pode baixá-la aqui.
Até a próxima! o/

[Coluna escrita pela Tathy, poaense de 28 anos que deseja várias coisas e tudo ao mesmo tempo. Bookaholic e seriadora assumida, não consegue terminar uma frase sem sorrir! :) Também posta no Tantas Coisas e está 24 horas no @tathys] 
Labels: ,

14 comentários :

  1. Adorei! Não tinha vontade de assistir, mas acabei por me interessar pela série depois desse super post que você fez. E esse episódio com o Brasil deve ser bem bacana, rs.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que pelo menos aguçou sua curiosidade :) É o suficiente pra assistir o piloto quando tiver a oportunidade né? hehehe

      Excluir
  2. Antes mesmo de assistir o primeiro episódio, logo que estreou, eu senti que Person of Interest prometia surpreender. A ideia do CPF é incrível! Conforme assistia deixei de lado a ideia original, e minha admiração passou a ser o John Reese. É o tipo de personagem que algum tempo eu diria "Quero ser como ele quando eu crescer". Ele é realmente o cara!!
    No início do episódio Masquerade eu tive medo do que eles poderiam ter feito, mas logo isso também mudou e senti esse mesmo orgulho kkkk

    Ótimo post!!
    Abraços
    Ricardo - www.blogovershock.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também curti a ideia antes mesmo da estreia Ricardo. Até pq, como mencionei no post, adoro o Jim Caviezel e depois esse amor só aumentou <3

      Dá mto orgulho de Masquerade né? Tah certo que eles falam umas coisas tensas de início, mas infelizmente é a verdade. É a imagem que os brasileiros passam :/

      Excluir
  3. Eu não estava com muita vontade assistir a série, mas após ler sua resenha, vou dar uma olhada e ver se gosto. Pelo menos fiquei curiosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Maristela :) Minha intenção ao escrever um post é sempre (além de compartilhar minha opinião) a de aguçar a curiosidade dos leitores \o/

      Obrigada pelo seu retorno!

      Excluir
  4. Olá (:
    Eu havia visto comerciais da série na Warner e fiquei curiosa, mas nunca parei pra assistir. Vou ver se qualquer dia pego ela passando, haha.
    Adorei a dica. Passa lá no meu blog depois :D

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou da dica :) Espero que tenha a oportunidade de assistir o piloto ;)

      Excluir
  5. Cara essa serie e tudo de bom!!! e com certeza já deve existir uma máquina dessas nos EUA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb me pego pensando sobre a já existência da "The Machine" viu... rs

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Acredita que eu pensava que ela tratava de algo completamente diferente? Pensei que era uma série mais séria sobre sei lá o que, sem dúvidas chata e então, nem liguei para ela.
    Agora, depois de ler sua resenha, fiquei mega curioso! Principalmente porque você está amando - até hoje todas as séries que você me indicou são os amores de minha vida - então o que custa assistir o piloto?
    Satisfeita? Se eu gostar terei mais um vício :( HAHAHAHA

    Beijos, Ale.
    http://bookaholicboy.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha <3
      Vc sabe que eu tenho bom gosto né? :P
      Assiste o piloto correndo e vem me contar. Mas óh! Ela é séria sim, rs

      Excluir
  8. Gostei do erro de português no pôster, otra série ^_^, não seria Outra? ^^. Mas sim, a série é fantástica!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...